O Cantinho da Bó Fá é um espaço dedicado aos meus tesouros. São a minha vida. Vivo "deles" e para eles. Aqui pretendo transmitir as alegrias de ser avó. Y otras cositas más...

.historias recentes

. 6 meses de uma saudade im...

. Parabéns meu Pai!!!!

. Carta para o meu Pai

. Não está fácil... não mes...

. Até quando esta dor?

. Não são boas as noticias

. ...

. Para variar...

. Do fim de semana...

. Da escola...

.O que para aqui vai...

. Janeiro 2014

. Setembro 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

Terça-feira, 27 de Outubro de 2009

Sem titulo

Hoje vou abordar um assunto delicado e que tem a ver com uma situação vivida pessoalmente, ou quase.

Fui educada na Religião Católica, segundo as leis da Igreja Católica. Fiz todas as cerimónias que eram "normais" fazerem e fui catequista.

Devo dizer que naquela altura o catolicismo era menos rigido, era muito mais fácil fazer parte daquela comunidade, precisamente porque nada se pedia. Cada um dava o que podia, como podia, quando podia. E aqui dar, não é no sentido material da palavra.

Fazíamos, a pé, diariamente, alguns kms para ir à Missa, à catequese, com a maior alegria.

Na minha modesta opinião, penso que a Igreja católica se está a fechar. Se está a isolar num circulo onde só entra quem passar por um determinado número de provas.

Vem isto a propósito da cerimónia do Crisma do meu sobrinho e em que ele convidou o meu irmão para padrinho. Ele que já foi padrinho de baptismo... não pode ser agora padrinho do Crisma, apenas porque não foi crismado. 

Como explicação para a recusa, dizem que se trata de ter alguém que transmita os mesmo valores católicos. Tudo bem, mas e quando eles só estão presentes no dia e depois nunca mais se interessam? E pior, aqueles que "por fora bela viola e por dentro pão bolorento"?

Partimos de um principio que os padrinhos de batismo são escolhidos pelos pais. Eles, mais que ninguém sabem o que é melhor e quem é melhor para os seus filhos. Ninguém os ama mais do que eles.

Ser padrinho/madrinha é um acto de muita responsabilidade. 

Não seria preferível ter alguém que ajude no crescimento da criança como ser humano, com respeito por si e pelos demais? E se fizer isso não estará a transmitir-lhe os valores essencias do catolicismo, a fazer a vontade de Deus? Ou é uma declaração que diz que fulano ou cicrano é baptizado, crismado, etc. e depois como ser humano não vale nada?

É nestas pequenas coisas que eu acho que a Igreja Católica vive de aparencias. Deixa de lado o que é importante e valoriza o acessório.

 

O crisma do Diogo foi este fim de semana. E sei o quanto o meu irmão ficou triste e desiludido por não lhe ter sido permitido estar, mais uma vez como tem estado sempre desde que o Diogo nasceu, ao lado dele.

No mesmo dia, enquanto a um cristão foi recusado estar presente, colocar a mão no ombro do seu afilhado num dia especial, um padre, desta mesma Igreja Católica, foi preso por, alegadamente, fazer parte de uma quadrilha de tráfico de armas.

Afinal em que é que ficamos??

 

 

tags: ,

publicado por Fá às 09:46

link do post | Vá...comentem | favorito

12 comentários:
De me a 27 de Outubro de 2009 às 10:15
Como católica, há coisas que não entendo e aceito!

Pior é saber que numa outra paróquia qualquer seria aceite! É a solução à medida!

Quantos padrinhos não são aceites por viverem juntos ou serem divorciados, mas se forem só "solteiros" já não há problema! Ou então numa outra paróquia encontramos um padre de mentalidade aberta que aceita tudo! :o))))

Bjoquinhas


De a 27 de Outubro de 2009 às 11:06
É mesmo, "solução à medida". Eu fiquei boquiaberta quando a menina do cartório enumerou as situações do "pode e não pode". A melhor foi que "uma pessoa divorciada pode ser padrinho/madrinha, mas tem que fazer vida de solteiro". Isso é o quê? Confesso que aqui me apeteceu ser ordinária e só não fui em respeito ao local onde me encontrava. Até porque ela também não tinha culpa nenhuma.
Para quem sabe as bases em que assenta o catolicismo, estas exigencias são ridiculas.
Beijinhos e obrigada


De Antes assim... a 27 de Outubro de 2009 às 12:20
Lamento ter de concordar contigo... e só lamento porque não deveria de ser assim!! Pior é saber que depois tudo depende da mentalidade mais aberta ou não do pároco da freguesia, e há muitos que se "aproveitam" do seu pequeno poder e acabam por ser quem mais se afasta dos princípios fundamentais do catolicismo... pelo menos, daqueles que aprendi há muitos anos atrás. Para teres mais um exemplo, eu própria, há 30 anos atrás não fui baptizada na minha freguesia porque o padre só baptizava nos primeiros Domingos de cada mês... o meu filho para ser baptizado a um Sábado à tarde contou com a colaboração do novo padre aqui da vila, que por tanto andar ao sabor da corrente foi difícil de convencer a que não tivesse que ser ao Domingo, pois queiramos uma cerimónia mais privada. Como abriu uma excepção, diz que já se arrependeu, porque agora todos querem fazer o mesmo... e daí?? Afinal o que é que conta mais?? Sei bem o que o teu irmão deve ter sentido, porque eu como madrinha do meu afilhado mais velho tenho acompanhado todo o seu percurso católico, o que tem sido intenso porque ele é escuteiro e há sempre imensas cerimónias. Mas é com orgulho que o acompanho, e ao mesmo tempo com pesar, por ver tantos outros com pessoas "arranjadas á hora" porque os verdadeiros padrinhos não são crismados!! Os padrinhos do meu filho foram escolhidos exactamente pelas razões que enumeraste serem essenciais para se ser padrinho/madrinha de alguém. Não sei se o meu filho será ou não católico, e apesar de ambos os padrinhos o serem e praticantes, também não vejo nenhum deles a impô-lo ao meu filho, tenho a certeza de que como simples seres humanos têm muito mais para lhe transmitir, e fazer dele uma boa pessoa!!
Desculpa o testamento, mas é também um assunto que me deixa assim um bocadinho empolada...
Beijinhos


De a 27 de Outubro de 2009 às 12:52
Obrigada pelo teu comentário. Quando nós pais escolhemos os padrinhos dos nossos filhos, temos que ter a certeza que, se for preciso, eles nos substituem. De todas as formas. Quer material, quer espiritualmente. De facto, e salvando algumas honrosas excepções, os párocos servem-se da sua "posição" e transformam-se no "quero, posso e mando".
Há uns anos atrás tive conhecimento de um caso em que um padre recusou baptizar uma criança porque os pais não eram casados. Claro que a criança acabou por ser baptizada e os pais continuaram "solteiros". É só um exemplo a juntar a tantos outros e que leva a que cada vez menos pessoas vivam o catolicismo.
Eu, francamente, fiquei tão desiludida e ao mesmo tempo irritada, porque sei que o catolicismo não é isto.
Beijinhos grandes


De Fátima Bento a 27 de Outubro de 2009 às 16:18
Sabes o que eu penso do catolicismo. Por isso não me vou alargar. Mas foi realmente uma pena o teu irmão não ter podido ser padrinho de crisma do sobrinho.

É francamente revoltante... mas por aqui me fico.

B'jinhos grandes,

Fátima


De a 27 de Outubro de 2009 às 16:28
Nem imaginas como ele ficou. Triste e revoltado. Só para teres uma ideia, se tivesse havido tempo ele próprio se crismava para poder ser padrinho. Afinal ele já era padrinho de batismo.
É por estas e outras como estas que as igrejas estão cada vez mais vazias.
Beijokas


De Maria João Brito de Sousa a 27 de Outubro de 2009 às 16:48
Não sei o que dizer, Fá... a situação não me parece nada justa.
Um grande, grande abraço!


De a 27 de Outubro de 2009 às 17:00
Foi de facto muito injusta. Mas o pior é que são situações recorrentes, que acontecem (ou fazem acontecer) vezes demais. E é uma pena.
Como católica sei que não foram estes os ensinamentos de Jesus.
Beijinhos


De olha_por_mim a 28 de Outubro de 2009 às 13:01
Pois é amiga...eu sou católica...e concordo com tudo o que dizes...eu ia muita vez à missa...e agora só vou em datas especiais...cada vez me desiludo mais com tudo...só querem dinheiro e mais dinheiro...metem leis que ñ tem cabimento na cabeça de ninguém...é uma tristeza...
Quando baptizei o Rodrigo escolhi para padrinhos o meu irmão e cunhada...mas o meu irmão ñ tem a crisma...nem imaginas as "guerras" por causa disso...mais a mais há uns anos atrás o meu irmão já tinha sido padrinho de baptismo sem ter a crisma...cada padre mete uma lei...isso deixou-me stressada...como tu dizes e bem os pais é q sabem quais os melhores padrinhos para os filhos...e não baixei os braços...eu e o marido batalhamos...e conseguimos...o meu irmão foi padrinho do meu filho mesmo sem a crisma...mas caso ñ conseguíssemos eu ia baptizar o meu filho em outra igreja...ñ é justo exigir-nos tanto...ainda para mais pedem-nos dinheiro para tudo...é que eles já não dizem "podem dar o que quiserem..."...dizem logo: "no mínimo têm q dar x"...foi o que aconteceu no baptizado...nós pais temos dinheiro...os padrinhos tb deram...e para que?...para eles claro...
Imagino a tristeza do teu irmão...isso ñ se faz...
Beijocas enormes


De a 28 de Outubro de 2009 às 15:34
Tens razão, mas aqui nem isso nos valeu. Tinha mesmo que apresentar uma "declaração". Ridiculo.
Enfim...já lá vai. Mas que custou a engulir, isso custou. Especialmente a ele.
Beijokas


De mimi a 29 de Outubro de 2009 às 16:02
Havia tanto por dizer...não sou madrinha de 1 que tanto gosto porque me casei pelo civil...ainda assim sou baptizada e tenho a minha Fé ( vale o que vale) .
O ridículo....posso ser madrinha de qualquer pessoa desde que o meu marido não seja o padrinho e vice versa...acham isto normal? Aqui, o grande problema é que o casal TEM de ser casado pela Igreja....ora poupem-me ...Se algo acontecesse eu zelaria tanto por eles, sendo casada, solteira, amancebada " junta, amiga, colega... mas quem é que sabe afina
que padrinhos é que deve ter? a entidade Igreja, ou quem na realidade conhece as pessoas que querem para padrinhos...seja do que for .Baptismo ,
Crisma.. Whatever !
Não gosto nem um bocadinho destas atitudes " acima do bem e do mal" !
Para mim é clara hipocrisia .ah e poupem-me as provas por A + B que tem de ser porque sim...não pega...
Abracem uma árvore...é mais útil !
Desculpa a ira Fá...é que é dose!


De a 29 de Outubro de 2009 às 16:18
Desculpa?? Subscrevo a 200%. São prepotentes, hipócritas e ridiculos.
E eu sinto-me triste porque, como disse no post, fiz toda a catequese até ao crisma, fui catequista e sei que ser católico não é isto.
Beijinhos


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Janeiro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds