O Cantinho da Bó Fá é um espaço dedicado aos meus tesouros. São a minha vida. Vivo "deles" e para eles. Aqui pretendo transmitir as alegrias de ser avó. Y otras cositas más...

.historias recentes

. 6 meses de uma saudade im...

. Parabéns meu Pai!!!!

. Carta para o meu Pai

. Não está fácil... não mes...

. Até quando esta dor?

. Não são boas as noticias

. ...

. Para variar...

. Do fim de semana...

. Da escola...

.O que para aqui vai...

. Janeiro 2014

. Setembro 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

Lilypie Kids Birthday tickers
Lilypie Kids Birthday tickers
Segunda-feira, 3 de Outubro de 2011

Para variar...

... fomos passear. Tínhamos, há algum tempo atrás, combinado "sinedia" ir com um casal amigo visitar as grutas da Serra de Aire e Candeeiros.

Acertámos agulhas e decidimos ir ontem. E em boa hora o fizemos porque o dia esteve espactacular. Saímos de Lisboa pelas 10H00 e em pouco tempo estávamos em frente das grutas de Stº António.

 

Até parece que é um percurso que faço habitualmente porque fui lá dar direitinha. Tivemos que esperar um pouco porque elas são "pequenas" e andava um grupo lá dentro. Os rapazes já estavam saturados de esperarem e a sra funcionária lembrou-se de lhes propor um acordo que consistia em se eles se portassem bem e, principalmente lá dentro não mexessem nas estalactites nem nas estagmites, á saída dava-lhes um prémio... Ora bem.

Eu já lá tinha estado mas já tinha sido há tanto tempo que me tinha esquecido como aquilo é lindo. A natureza no seu melhor. Autenticas esculturas que fazem inveja ao melhor escultor.

 

 

O Ruben escutava extasiado as explicações da guia. Já o Rafa tentava encontrar similaridades das estalactites ou estalagmites com situações da vida real...

 

 

 

 

Dali saímos para almoçar, não sem antes eles terem ido buscar o seu merecido prémio. Uma pequena rocha retirada das grutas com a promessa de mostrarem hoje as respectivas professoras.

 

Como pretendíamos visitar também as de Mira d'Aire tomámos logo essa direcção. Enquanto subíamos a serra eles deliravam com a paisagem tão típica da região. As pequenas casas de pedra onde, presumo, se guardavam os artefactos agrícolas, os muros de pedra. Á media que subíamos a visão ia sendo cada vez mais espectular. Na descida para Minde, já com uma paisagem urbana completamente diferente mas não menos bonita não era, no entanto tão apreciada, visto que a barriga deles já estava "a dar horas" e pedia-se comida... rápidamente.

 

Encontrar um restaurante aberto é que foi mais dificil, mas depois de alguma procura lá demos com uma churrasqueira. Depois do almoço abalámos para ver as grutas de Mira d'Aire.

 

 

E aqui sim, já se via muito mais gente. Esperámos ainda algum tempo para ver ver o vídeo de apresentação. Depois esperámos novamente para entrar nas grutas.

 

Bom, palavras para quê? É sempre a descer por ali abaixo quase até ao centro da terra. No final, segundo a guia, estávamos a uma profundidade correspondente a um prédio de 25 andares...

 

 

 

 

Aqui já não havia tanto cuidado (até porque seria impossivel) com tanta gente. Toda a gente tocava e mexia a seu bel prazer. Até eu...{#emotions_dlg.blushed}

 

Galerias e salas e corredores e escadas. São de facto, enormes. São também muito mais "mexidas pelo homem". Quero dizer que, enquanto as de Stº António se conservam quase como quando foram descobertas, com muito pouca alteração, estas tiveram que ser alteradas de forma a poderem ser visitas, devido á sua profundidade.

 

 

 

Aqui a água é uma constante e o seu agrável som ouve-se durante todo o trajecto.

 

 

Acabada a visita lanchámos ali mesmo no parque de merendas. Eles ainda tiveram tempo de ver os diversos animais que ali vivem, no parque exterior das grutas e só depois é que regressámos a Lisboa.

 

Todos gostámos da experiencia. Eles pediram nova visita que ficou prometida.

 

 

Nota: todas estas fotos foram retiradas de net, já que a qualidade das minhas não me permitiu a sua publicação

 


publicado por Fá às 17:27

link do post | Vá...comentem | ver comentários (6) | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Janeiro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


.tags

. todas as tags

.As nossas visitas

free counter
free counter

.Fazer olhinhos

blogs SAPO

.subscrever feeds